segunda-feira, 6 de julho de 2009

Cristina

Cristina era uma socióloga respeitada. Especializou-se no estudo da época da inquisição, quando, sob o manto da igreja, pessoas eram queimadas sob acusação de bruxaria. Através de suas pesquisas concluiu que, na maioria das vezes a perseguição era política, os acusados nunca haviam se envolvido com satanismo. Alguns casos pareciam típicos de doentes mentais, que mais deveriam ir para o sanatório que para fogueira.
Um caso, contudo, chamou-lhe a atenção: Catarina, uma mulher do século XVII, queimada num povoado do interior, conhecida como a maior das feiticeiras. As lendas que dela se contavam perduravam até os dias atuais, sobre seu poder e maldade. Morrera queimada, jurando vingança.
Cristina viajara para a cidade que se desenvolvera perto do antigo povoado onde a bruxa teve seu fim. Verificou que ,apesar dos séculos, as pessoas conheciam histórias sobre ela, havendo inclusive aqueles que jurassem ter visto reunião de demônios comandados por Catarina em um vale próximo. Cristina ia assim juntando material para uma nova tese, sobre o imaginário popular.
Algumas coincidências, porém, logo chamaram-lhe a atenção. De tempos em tempos sumiam crianças na região, que nunca eram encontradas. Assim como começavam, os desaparecimentos terminavam. Catarina era considerada culpada, mesmo séculos após ter morrido. O fato é que nunca qualquer pista foi encontrada. Justamente após sua chegada na cidade, crianças começam a sumir, sem deixar vestígios. Havia mais de cinqüenta anos que aquilo não acontecia, portanto não poderia ser a mesma pessoa. Três garotos estavam desaparecidos. Não havia pista alguma, uma testemunha que fosse.
Cristina envolveu-se com as investigações. Sentia que, se desvenda-se aquele crime, poderia explicar a estranha influência que aquela lenda exercia sobre a população daquele lugar.
Passado algumas semanas nada de novo havia sido descoberto. Das outras crianças não mais foram vistas. O delegado local pensava até em pedir ajuda federal. Cristina não dormia direito, procurando, pela lógica, encontrar uma solução.
Um dia a socióloga aparece na delegacia. Não havia dormido a noite anterior. Apesar de cientista tinha uma intuição. Visivelmente alterada, pediu ao delegado que a acompanhasse com alguns policiais. Foram ao local onde, pelos relatos que descobrira, Catarina havia cumprido pena. Era um pequeno vale. Movida por uma força estranha, Cristina, com as mãos escava o sopé de um morro próximo. A terra estava fofa. Os pequenos ossos não demoraram a aparecer.
Ao ver tudo aquilo, o rosto de Cristina se transformou. À vista incrédula dos policiais, ela começava a gritar palavras incompreensíveis. Era como se duas almas lutassem por um só corpo. Suas feições iam, aos poucos, se transformando. Ela despiu-se até que, completamente nua começou a dançar freneticamente, num ritmo cada vez mais rápido, começou a levitar. De seus olhos, emanava o próprio mal. Cristina havia sacrificado aquelas crianças. Sem saber, seu corpo fora apossado por Catarina, que assim executava a sua vingança.

17 comentários:

  1. Cristina,nome da minha mãe :)
    aa qe isso ^^ vc merece !
    Dexter eu ja ouvi fala,mas nunca vii'
    Olha na verdade eu tinha 25 séries,mas achei qe ia fica grande o post,dai coloqei so 20 :D
    mas eu gosto de supernatural e prison break sim ^^

    ResponderExcluir
  2. aaah eu penso sim :)
    capaz, nem é nada. os nomes mais comuns são Maria e João :D

    ResponderExcluir
  3. nossa, coitadinha das criançinhas =( nossa essa Cristina é mal to com medo dela =//

    ResponderExcluir
  4. Parabéns *,* Seu blog tá ótimo e seu conto é maravilhoso! Continue nesse caminho,você pode trilhar muito mais.
    Obrigada pela visita,viu? (:
    Bjinhos,moço

    ResponderExcluir
  5. Ow vc pergunto no meu blog como faz para colcoar mruald e recados é só se cadastrar nesse site. http://www.muralgratis.net/


    www.allersonblogger.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Você escreve bem, o conto é um tanto mórbido.

    ResponderExcluir
  7. Os seus contos realmente são muito bons, adoro a morbidez que eles possuem.

    ResponderExcluir
  8. Nuuuuss, me surpreendi com com esse conto.
    Pobre das criançinhas;

    Beijos
    miss GG

    ResponderExcluir
  9. aaai mt obriigada *--*

    ResponderExcluir
  10. o seu blog é o melhor, sem duvida!!!
    garoto, postei mais contos no meu blog, e gostaria que vc lesse as vezes tb!!!
    suspense, tramas e histórias tb não faltam por lá... vc vai gostar!!!
    REENCARNAÇÃO, um dos meus contos, tb tem a ver com Inquisição, perseguição, bruxaria...
    SANGRIA, que eu postei ontem, tem elementos um pouco pais "anestruturados" hehehe. é uma trama bem psicológica. Nós futuros psicólogos, quem sabe vamos lidar com pessoas traumatizadas por matarem... hehehe
    e DAS SOMBRAS, uma história contada a partir dos olhos do próprio assassino, quem sabe te engane!!!
    quem quer que eu seja?? DAS SOMBRAS dirá quem sou... hehehe
    vai lá, da uma visitada.
    Gato, teu blog é mara

    ResponderExcluir
  11. Ótimo conto, parabéns!


    Críticas de cinema, www.cafedefita.blogspot.com =*

    ResponderExcluir
  12. e meu apelido é ari mesmo :)

    ResponderExcluir
  13. OMG! O.o
    Esse conto é teu? Mto bom!

    Bjs
    Paula Grazi

    ResponderExcluir
  14. Conto ótimo mesmo, fiquei preso a ele do começo ao fim. Amei de verdade
    Adorei principalmente o lado obscuro dele.

    parabéns ^^


    se possivel de uma olhadinha no meu blog ^^

    http://vellocetnews.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. sim, é mt bom ! *-*
    eu to sentindo uma felicidade triste, mas eu sei que sempre vou poder contar com eles! ;~
    mas então se solta mais ! ^^ eu tbm era bem quieta, agora nem tanto :)

    ResponderExcluir