sábado, 4 de julho de 2009

Uma Última Visita

Eu não conhecia nada mais deprimente do que ficar sozinho em casa, na época de natal. Longe dos amigos, longe da família. Desde o acidente ninguém mais aparecera, ninguém mais dera as caras. Nem mesmo uma árvore a piscar havia. A casa que eu amava estava largada, empoeirada, descuidada, só me causava tristeza. Minha filha, depois que se casou, pouco me visitara. Não gostava, sentia frio. Dizia que já sofrera o bastante, passando aqui anos de sua infância. Ninguém mais tinha interesse pela casa, apenas eu.

Como que só para me desmentir, a porta subitamente se abriu. Foi algo tão inesperado que fiquei estático por alguns segundos, mas logo reconheci o intruso. Era Pedro, o marido de minha filha. Onde ela estaria? Ele entrou, acendeu as luzes e, displicente, largou uma mala em cima do sofá. Com o impacto, rapidamente formou-se uma nuvem de poeira, flocos flutuantes brilhando em várias cores. Pedro tossiu e começou a ofegar. Ávido, procurou no bolso da calça a bombinha e levou-a à boca, aspirando várias vezes. Pudera, uma casa abandonada não é exatamente um lugar apropriado para um asmático. Mas então... O que ele estaria fazendo aqui?

Só podia ser! Tinha vindo atrás do dinheiro! Mas como descobrira? Eu nunca comentara sobre o cofre! Bem, se ele sabia que havia um cofre na casa, pelo menos não sabia onde fora instalado. Assim que melhorou, Pedro dirigiu-se a um lugar improvável, o quarto da bagunça — quase que um depósito.

Fui atrás dele sorrindo, vitorioso. Se Pedro achava que seria fácil botar as mãos no meu dinheiro, estava completamente enganado. E por que a minha filha não tinha vindo junto? Não podia ser assim! E se ele escondesse uma parte, ou até mesmo tudo, e depois dissesse que nada havia? Não, não, aquilo não estava certo!

Depois de procurar durante algum tempo em um dos armários, Pedro soltou um suspiro aliviado. Tinha achado uma boneca. A boneca de pano que minha filha mais gostava, aquela que não largava quando criança. Estava velha, é evidente, mas ainda bem conservada. Minha filha fora sempre uma menina cuidadosa. Natural, puxara ao pai.

Eufórico, Pedro foi até a sala e tirou da mala um computador. Colocou-o em cima da mesa, conectou alguns fios à parede e depois ligou a máquina. Eu sabia o que ele queria fazer. Nos últimos anos, usara a Internet todos os finais de semana para ver e falar com minha filha. Ela não me visitava, era o melhor que eu podia arrumar.

Sentia-me envergonhado. Duvidara de Pedro sem razão e não podia sequer pedir desculpas. Após o ruído característico, Pedro conseguiu a conexão e logo minha filha apareceu na tela, sua voz de menina a ecoar pela sala. Uma onda de pura felicidade transpassou-me, arrebatadora. Eu chegara mesmo a pensar que jamais a veria de novo! Ela estava um pouco mais gorda, rosada, os cabelos presos num rabo de cavalo. Também achei a imagem maior e mais definida do que a que eu estava acostumado. Seria apenas uma falsa impressão?

Depois de falar sobre viagens e saudades, Pedro mostrou a boneca. Minha filha sorriu, docemente. Como quando ganhava um presente. E então sumiu da tela, para logo depois voltar. Desta vez carregava um bebê. Por um segundo a emoção me dominou. No instante seguinte, gritei como jamais havia gritado, surpreso, atônito, apavorado. Pobre de Pedro, se pudesse me ouvir: o susto o teria matado.

Um espírito brilhante entrara pela janela e vinha flutuando devagar em minha direção, envolto por uma luz difusa. Usava um hábito de monge, mas ainda assim inspirava medo. Não era para menos, desde que eu morrera jamais vira outro espírito! Ninguém aparecera para me receber, ninguém viera me buscar. E em breve faria um ano! O espírito se aproximou e estremeci quando pude olhar nos seus olhos. Cheguei mesmo a pensar em fugir, mas ele baixou a cabeça num cumprimento, o que muito me acalmou. Depois olhou para a tela, curioso.

— É a minha filha — expliquei, aliviado.

— Encantadora — devolveu, sereno.

— E a criança que ela está carregando é, provavelmente, minha primeira neta — orgulhei-me.

— Exatamente por isto estou aqui.

— Como assim?

— Agora que você já viu sua neta, chegou a hora de partirmos.

Partirmos? Mas para onde? O que ele queria dizer com isto? E quem era ele, afinal?

— Você é um anjo? — perguntei de repente, emocionado.

O espírito abriu um largo e doce sorriso. Seus dentes eram perfeitos, seus olhos negros brilhavam.

— Podemos dizer que sim — respondeu, misterioso.

— E vou ter que deixar minha casa?

— Não é mais sua casa, foi vendida. Mas não fique triste, você teve e terá muitas outras.

Vendida? A minha casa? Vendida para quem? Pensei em perguntar, mas senti que já não era tão importante. Eu tinha dúvidas mais urgentes.

— Vamos sair flutuando?

— Claro! Você não gostaria de planar pelas ruas? Vistas do astral, as luzes de natal são ainda mais bonitas!

Sorri para ele, pela primeira vez. Quem não gostaria, depois de quase um ano trancado em casa? Mesmo assim, continuava inseguro.

— Você ficará comigo?

— O quanto for preciso — tranqüilizou-me.

Então um pensamento me assaltou, violento. Cheguei a tremer de excitação, ante a simples possibilidade.

— Quão longe poderei ir?

— Mais do que consegue agora imaginar.

— E estamos com pressa?

Por um longo instante achei que o anjo fosse dizer que sim, que não haveria tempo. Mas sua expressão desanuviou-se e ele tornou a sorrir, cúmplice, complacente.

— Não, não estamos com nenhuma pressa.

Virei-me então para a tela do computador e disse, como se ela pudesse me ouvir:

— Espere por mim, filha. Já estou chegando.

32 comentários:

  1. Muito bom o conto
    Gostei

    ResponderExcluir
  2. Legal teu conto!!
    Tu que escreve mesmo??
    Ah! Votei na enquete!! Hihiih....
    Adoro contos de terror,
    ainda maiis com casas assombradas...
    Voltareii aqui mais vezes...
    Espero você no meu:

    http://guardeparaosdiasdechuva.blogspot.com/
    * ... música, política, celebridades ... *

    Parabéns pelo blog e sucesso ae!!
    Abrços..

    ResponderExcluir
  3. Olha eu de novo aqui comentando!!! hahaha
    Confesso que adoro filmes de suspense, talvez seja por isso que gostei dos contos do seu blog. rss
    BjOs

    ResponderExcluir
  4. Quem conta um conto aumenta um ponto!!
    aeuheauhaue!!

    gostei viu!!

    ResponderExcluir
  5. Curti bastante o conto.
    Você escrever perfeitamente bem.
    Adorei mesmo, continue assim. Vou passar
    a visitar mais este blog =D
    Beijooos

    www.secrets-specials.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Muiitoo bom o contoo, adoro contos de espíritos ow *--*
    Bom mesmoo!

    Ahh, a respeito do jornal escolar, muiito legal mesmo! se a minha escola pudesse ter um ¬¬
    e eu vou colocaar uma das minhas favoritas da minha banda na rádio do blog pra vc ouvir.
    E se deer pra depois dar um 'palinha' do q vai ter no jornalzinho lá hauahuahua gostaria de saber (Sophia nem é curiosa!) ^-^
    Beijãão

    ResponderExcluir
  7. nossa O_O gosta? ;x
    aaah aqui tbm, mas eu uso sempree :)
    adoroooo *---*

    ResponderExcluir
  8. é isso é verdade. :)
    mas é bom ir de tarde, de noite não dá ;~~ UAHUHSAH

    ResponderExcluir
  9. Seus contos são sempre muito bons!

    Continue escrevendo!!!

    :D
    Abraços

    p.s. dá uma olhada nos meus posts mais atigos, recomento "A velha, a morte e o bolo de laranja"

    http://antoniopimenta.blogspot.com/

    abraços

    ResponderExcluir
  10. ee como mudam !
    eu mudeei, mas pra melhor eu acho ^^
    beijo ;*

    ResponderExcluir
  11. aah mas tu consegue :D
    é só ter paciência.

    ResponderExcluir
  12. :S calma, quem sabe do nada tu consegue :)
    aai to viciada, vendo os clipes da banda Libra *---* adoreei ^^

    ResponderExcluir
  13. Na minha pele é uma música muitoo booa *-*
    O clipe de Sangue Frio é muito legal.. :)
    E na verdade, eu to lendo agora, LIBRA é o nome do vocalista (deve ser nome artistico né ^^), mas tbm é o nome da banda.
    gosteei *-*, rsrs

    ResponderExcluir
  14. é sim, e pelo o que eu li aqui é ele que toca bateria, baixo e guitarra. mas quando faz shows tem a banda ! ;O
    acabei de ouvir cinderela *-* mt booa mesmo. mas não tem clipe ainda, as que tem clipe são só: "na minha pele" e "sangue frio".

    ResponderExcluir
  15. aai que tri :)
    eu não presto pra cantar, UHAUSAUHSA

    ResponderExcluir
  16. aaih desculpa a demora, tava tomando chima :)
    mas acho que não dá mesmo, cantar não é comigo ;D

    ResponderExcluir
  17. aham ^^
    baah eu amooooo chimarrão *--*
    ah, acabei de baixar todo o cd do Libra (até que a morte não separe) *-* bom d+ !

    ResponderExcluir
  18. eletricidade *--*
    não :~
    ainda não :D
    mas quero aprender a tocar violão e depois guitarra e depois bateriia ! UAHHSUA
    tu toca?

    ResponderExcluir
  19. eu amo bateriia tbm, vi uma azul mt linda *-*

    ResponderExcluir
  20. AUHSAUHSAUSA, claro !
    ' com o grêmio em todos os momentos :)

    ResponderExcluir
  21. viraria? UAHSUAHHUASHUAS
    tu sabe o que é bom né? IMORTAL TRICOLOR :P
    ta parei ;x

    ResponderExcluir
  22. gosto de pessoas q são sinceras e veem o quanto os outros são bons/ pareimesmoagora AHUASHUAS
    por mim *--*, rsrs
    a gente converso hj heim? ;O
    mas eu vo mimi, boa noite ;**

    ResponderExcluir
  23. Oii,obg ^^
    bom,por não te dar um selo,te recomendei no post de hoje ^^
    desculpa ta?
    saudades também ^^
    eijo amorzinho *o*

    ResponderExcluir
  24. Andei sumida XD
    cARACA, eu adoooreeeei!
    Historias desse tipo me atraem *-*
    Foi bem, emocionate

    atualizei o meu blog :D
    passa lá!

    Beijos
    Miss GG

    ResponderExcluir
  25. Estou lendo seus contos e estou adorando. Você certamente escreve muito bem, parabéns!
    Obrigada pelos comentários no meu blog!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  26. agora é que eu li o conto. adoreeei *-*
    mt bom !

    ResponderExcluir
  27. Sem duvidas, de todos os contos que eu li de sua autoria, esse foi o melhor. Meus parabens... voce escreve muito bem.. sao todos de sua autoria?

    abraços

    atualizados:
    http://deliriosdeumsonhador.blogspot.co
    http://pactodevida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. aai, mas os contos são mt bons, eu gosto :)
    aai vontade de me mudar não falta :D
    mas é só vontade mesmo ;~
    aai brigada, mas eu nunca gostei mt do meu nome ;x
    é diferente d+ , mas já me acostumei ;P

    ResponderExcluir
  29. Você escreve muito beem :D uhul 100000000000

    ResponderExcluir